Pode Ler – Livro: Nosso Lar #04

Pode Ler – Livro: Nosso Lar #04

Olá, jovem leitor espírita!!! Como está você? Aqui a animação é total. Vamos para os comentários do no Cap. 4 – O médico espiritual?

Lembra que André Luiz está sendo tratado num hospital na colônia Nosso Lar? Pois é.

Após a prece coletiva descrita no capítulo anterior, nosso amigo dormiu profundamente e despertou com novo ânimo, com energias novas que o tocavam bem seu íntimo. Sentia-se outra pessoa. É tão bom, querido jovem leitor, quando temos as nossas energias e ânimos restaurados …Conseguimos respirar melhor e até raciocinar melhor.

Lembra de Clarêncio, aquele velhinho de olhar amoroso e acolhedor que recolheu André Luiz do Umbral, transportando-o para Nosso Lar? Pois bem, ele foi visitar André no hospital, junto com um amigo. Este amigo era o irmão Henrique de Luna, do Serviço de Assistência Médica da colônia espiritual.

O médico examinou André e lamentou que este tenha desencarnado como suicida…

André Luiz não aceitou o diagnóstico e revoltou-se magoado, pois tinha certeza que não havia tirado a própria vida, muito antes pelo contrário, lutou e muito contra a doença que o consumiu.

Henrique de Luna, de modo sereno, porém firme, atestou que a doença que levou André ao óbito tinha causas bem mais profundas…

Quais causas seriam estas, jovem leitor?

Em resumo, o médico espiritual declarou que o tipo de vida que André levava, os pensamentos que nutria, os valores que professava, seu comportamento perante a vida, a vaidade presente foram as verdadeiras causas do desencarne precoce.

Ao ler esta passagem, levei um susto enorme, jovem leitor espírita. Então, além do que comemos e bebemos, os nossos sentimentos e os pensamentos que alimentamos, o descuido com a nossa saúde física e mental, nossa conduta perante o mundo interferem diretamente em nosso corpo, seja material ou espiritual, e podem encurtar nossa estada aqui na Terra? 😲 Você já parou para refletir sobre isso? Lembrei-me da passagem de O Evangelho Segundo o Espiritismo – cap.21 – “O homem de bem tira boas coisas do bom tesouro do seu coração e o mau tira as más do mau tesouro do seu coração; porquanto, a boca fala do de que está cheio o coração. (Lc, 6:43 a 45.).

Fiz aqui uma rápida autoanalise, jovem leitor espírita. Fiquei com vergonha de alguns pensamentos meus, de certas atitudes minhas perante o mundo, confesso. 😔 Ah, sábio da Antiguidade, ajude-nos a nos conhecer a nós mesmos!

Quer saber de uma? Vamos tratar logo de ficar de “boas” com a família, com a galera, com o trabalho, com a escola, com os vizinhos, colegas de trabalho, em resumo, com todos. 😉 Sentiu que a raiva chegou, que a impaciência, a aflição, a preocupação excessiva, a vaidade se instalaram, respira fundo, conta até mil (se for necessário), faz uma prece. Isto também é saúde! Quer chegar antes da hora lá no outro lado? Eu não quero isso prá mim, não!!!!!

Ah, um detalhe. Tanto Clarêncio quanto Henrique de Luna falaram a André Luiz sem qualquer tipo de julgamento, de cobrança ou acusação. Ao contrário, André foi tratado com muito respeito e fraternidade. 😃

Diante de tanta consideração, qual foi a reação de André Luiz? Você já faz uma ideia, não é? Comente aí para nós e nos conte suas impressões do capítulo!

A cada capítulo mais surpresas aparecem…

Até semana que vem!

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *