O que o futuro me reserva?

O que o futuro me reserva?

Fala jovem espírita! Como está a relação de vocês com o futuro?

Falar de futuro é complicado, né?! Há sempre muitas expectativas em relação a como vamos estar na profissão, nos relacionamentos, financeiramente e, para a gente que acredita em reencarnação, tem gente tão ansiosa com o futuro que já se preocupa com o que vai ser da próxima encarnação! 😅

É comum na família, na escola ou mesmo na roda de amigos (que muitas vezes é uma roda virtual 📱), rolar aqueles papos sobre o que vamos ser quando crescer, se já escolhemos uma profissão, qual nosso próximo passo na vida, onde queremos estar daqui a 5 ano, e por aí vai…  O que muitas vezes passa em branco nessa de falar de futuro é que na verdade estamos de falando de algo muito mais importante e precioso: tempo!

Separamos nosso tempo encarnados em três períodos que são até que bem fáceis de definir: presente, passado e futuro. O que já passou é passado, o que vivemos agora, neste momento, é o presente, e o que ainda iremos viver obviamente é o futuro. Essa separação é uma das formas de ver o tempo. E como temos vivido o nosso tempo? 🤔

Como sabemos a partir do que os espíritos nos contam na questão 843 de O Livro dos Espíritos, o ser encarnado possui livre arbítrio, sendo capaz de pensar e agir a partir da liberdade de suas escolhas. Isso se aplica também a como decidimos aproveitar nosso tempo. Um ano tem 12 meses, 52 ou 53 semanas e 365 dias. Um dia tem 24h, cada hora tem 60 minutos, cada minuto 60 segundos. Um segundo parece pouco para se estudar para o vestibular, mas pode ser a diferença entre ganhar ou perder uma prova de 50 metros rasos em uma competição de corrida no atletismo. Daí vem a reflexão: será que estamos aproveitando bem o tempo que temos?

André Luiz, no livro Conduta Espírita, nos alerta sobre nossa conduta perante o tempo e é direto e reto: “Desperdiçar tempo é esbanjar patrimônio divino”. E André Luiz ainda completa, nos convidando a rever como temos passado nosso tempo. Precisamos ter disciplina para dividir nosso tempo nas mais diversas tarefas: estudar, trabalhar, descansar, praticar o bem, estudar a moral do Cristo e colocá-la em prática. E não para por aí, ele ainda nos lembra que tudo tem seu tempo: “o passado é a raiz do presente, mas o presente é a raiz do futuro”, ou seja, precisamos aprender com o passado e construir o nosso futuro sabendo aproveitar nosso presente.

Dar a devida atenção para o tempo presente é inclusive o motivo pelo qual não temos revelações sobre o futuro que a de vir, como podemos ver nas questões 868 e 869, de O Livro dos Espíritos. Assim, o futuro nos é oculto para evitar que deixemos de cuidar do nosso presente, seja ou por achar que não há liberdade para construir o futuro e seria só uma questão de deixar a vida levar, o que tiver de ser será, ou por tentarmos impedir que algo aconteça ao invés de viver cada momento, já que as provas e expiações estão aí para nos fazer evoluir.

O tempo presente é tão precioso, que Emmanuel, no livro Pão Nosso, o chama de tesouro. Emmanuel nos diz que analisar os tempos passados e futuros traz a nós a perspectiva de evolução do espírito. No passado temos nossos erros, mas no futuro temos a perspectiva de um caminho de luz. Entretanto, tudo depende de agora, no presente, trabalharmos para resgatar nossos erros, aprender com eles e procuramos seguir o exemplo do Cristo. O tempo é uma dádiva que se bem usada podemos encontrar felicidade nas pequenas e grandes conquistas da nossa existência.

Aprender a valorizar e a usar bem nosso tempo é importante para tudo na vida. Tanto que André Luiz, no livro Sinal Verde, nos fala para não desperdiçar o tempo que temos e nem o tempo dos outros. André Luiz deixa claro que quem não aprende a usar bem o próprio tempo não evolui, nem prospera, muito menos melhora ou se educa adequadamente. O tempo livre pode ser bem empregado com uma conversa proveitosa, no estudo de algo que ajude nosso aperfeiçoamento, no trabalho, seja remunerado ou não, ou em alguma atividade que nos faça sentir úteis. Do contrário, nos sobra o tédio, que pode ser um fardo pesado de carregar.

Então, afinal, o que o futuro nos reserva? A resposta é mais simples do que parece. O futuro reserva aquilo que plantarmos no presente. Ou seja, é o que fizermos agora que irá definir o que vamos encontrar no futuro. Isso só acontece porque o único momento em que podemos fazer alguma coisa é no presente e é através dele que iremos construir nosso futuro. E quando o futuro se tornar presente, teremos a oportunidade de fazer algo com ele também.

Para atuar no presente é preciso fazermos escolhas conscientes, pois é através delas que exercitaremos nosso livre arbítrio, fazendo nosso planejamento de vida e escolhendo nossos sonhos, objetivos e metas. Se a decisão em relação ao futuro for esperar ele acontecer sem nenhuma ação de nossa parte estaremos desperdiçando nosso tempo, colocando a decisão do nosso futuro na mão dos outros e fazendo mau uso do nosso livre arbítrio. Com isso, tem grandes chances do resultado ser frustrante. Viva o seu presente para construir seu futuro! 😃

Vamos conversar mais sobre esse tema na nossa próxima live de sábado às 18h no YouTube com nosso podcast! A live será no canal do Cefak no YouTube! Aguardamos você no Podlá!

O que achou do conteúdo? Gostaria de fazer algum comentário sobre o tema? Ficou com alguma dúvida? Deixe seu comentário!

Referências
O Livro dos Espíritos – Allan Kardec
Conduta Espírita – psicografado por Waldo Vieira, ditado por André Luiz
Pão Nosso – psicografado por Chico Xavier, ditado por Emmanuel
Sinal Verde – psicografado por Chico Xavier, ditado por André Luiz
Imagens Pixabay

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *